FAQ - Dúvidas Frequentes sobre Calvície e Transplante Capilar

FAQ - Resumo: Tópicos Principais

01. A técnica utiliza 100% unidades foliculares?
Sim, 100%02. Desde quando realizam o transplante folicular?
Desde 1996.03. São utilizados apenas microscópios?
Sim, tudo é inteiramente realizado com microscópios 3-D.04. Quantas unidades foliculares são colocadas?
Entre 2.000 e 5.000 UF por sessão.05. Isso corresponde a quantos fios?
Entre 4.200 e 10.500 fios de cabelo, pois cada unidade folicular contém em média 2,1 fios.06. Quantas pessoas estão diretamente envolvidas no transplante?
Entre 8 e 10 pessoas.07. Quanto tempo leva?
Entre 6 e 8 horas.08. É preciso usar turbante ou curativo no pós-operatório?
Não.09. Tem suporte incluso após o transplante?
Sim, acompanhamento e tratamento clínico por 1 ano, na própria clínica ou por videoconferência.10. Costuma freqüentar os congressos anuais da International Society of Hair Restoration Surgery (ISHRS)?
Sim, todos desde 1997. Inclusive já deu mais de 35 aulas nesses congressos e participou da organização do Congresso Mundial de 2005 na Austrália e participa da organização do Congresso Mundial de 2007, em Las Vegas, EUA.11. Tem estudos publicados sobre transplante capilar?
Sim. Por duas vezes seus artigos científicos mereceram a capa da revista Hair Transplant Forum International (publicação oficial da ISHRS). O último deles, “A Super Megassession of 2,800 to 4,000 follicular units. Packed to 40/50 cm2. Are you prepared?”, publicado em 2006, tinha o tema densidade cosmética que rendeu-lhe o convite para coordenar o curso “Advanced Review Course in Hair Restoration”, que é obrigatório para obter o titulo de especialista norte-americano em transplante de cabelo. Ainda assina capítulos escritos em livros, nacionais e internacionais.12. Tem título de especialista reconhecido pelo “Conselho Federal de Medicina”?
Sim, é especialista pela Sociedade Brasileira de Dermatologia, desde 1993.13. Oferece alguma garantia sobre a técnica utilizada?
Sim, detalhadamente e por escrito.14. Algum outro médico que faça transplante de cabelo poderia dar informações suas?
Acreditamos que qualquer colega brasileiro que seja membro da Sociedade Brasileira de Restauração Capilar ou da ISHRS poderá fornecer informações a nosso respeito.15. Tem alguma referência internacional?
Além de colegas mundialmente renomados como Ron Shapiro, Jerry Wong, John Cole, Matt Leavitt, Paul Cotterill, Paul Rose, Glenn Charles, David Perez-Mesa, Patrick Fretchet, William Rassman, Bill Parsley e muitos outros, somos também indicados pelos maiores e mais seletivos sites de transplante de cabelo do mundo como www.hairtransplantnetwork.com, www.hairlosslearningcenter.org, www.hairsurgeons.com. Veja um comentário sobre nosso trabalho no artigo: Is Ultra Refined Follicular Unit Hair Transplantation finally being accepted as the new “Gold Standard” by the hair restoration profession?16. Tem alguma referência no Brasil?
Entre os médicos, os membros da Sociedade Brasileira de Dermatologia, da qual somos membros ativos poderão dar referencias. Também cabeleireiros como o Gilberto Mello (do Gilberto cabeleireiro, três vezes campeão mundial de corte de cabelo masculino) e alguns cabeleireiros do Studio W, incluindo Wanderley Nunes, ou do SOHO também poderão dar referências. Sem falar é claro nos nossos pacientes, mas respeitamos sua privacidade.

FAQ – Transplante Folicular Coronal

1. Quantos enxertos ou qual é o tamanho da sessão que vocês realizam geralmente?
Geralmente realizamos pelo menos 2.300 enxertos por sessão. Porém, com o novo conceito de ” densidade cosmética” a ser obtida em apenas uma sessão, a tendência é colocar cada vez mais enxertos. Afinal, se desejamos em uma única sessão, recriar um aspecto denso e volumoso, como o cabelo natural, será necessário obter uma densidade maior do que vinha sendo feita, através da colocação de um número de unidades foliculares por centímetro quadrado (UF/Cm2) ainda maior.
Como estamos concentrando um maior número de unidades foliculares (UFs) por cm2, se usarmos a mesma quantidade de unidades foliculares que antes, cobriremos uma área menor. Por exemplo, usando 2.300 UFs é possível cobrir 115 cm2 de área calva, proporcionando uma densidade de 20 UF/cm2, como mostra a fórmula: (2.300 ÷ 20 = 115). Entretanto, como essa densidade dá uma aparência “transparente”, ainda calva, uma segunda sessão, na mesma área, deverá ser realizada um ano depois da primeira. Para que essa segunda intervenção não seja necessária, colocamos enxertos com 40 Ufs por cm2, proporcionando a densidade cosmética desejada. Porém, se por um lado conseguimos o dobro da densidade por cm2 (40 Ufs/cm2), por outro, cobriremos apenas 57.5 cm2 de área calva, ou seja, a metade. Ainda assim, este procedimento possibilita cobrimos calvícies grau 3-4 de Norwood com uma única sessão, diminuindo os gastos secundários, como hospital, hotel e os dias fora do trabalho. Na verdade, você realizará somente uma sessão ao invés de duas de densidades regulares ou fará duas sessões ao invés de três ou quatro. Você estará apenas antecipando o custo total da restauração capilar, com a vantagem de ter um resultado mais rápido e desperdiçando menos tempo.
Como preferimos sessões maiores e mais densas, (atingindo melhor a expectativa dos pacientes) realizamos, geralmente, sessões com 2.800 a 4.200 unidades foliculares.

2. De quantas sessões necessito?
O número de sessões depende de muitos fatores: o tamanho da área calva, a expectativa do paciente, se deseja uma restauração parcial ou total do cabelo, a densidade do cabelo na área doadora (isto é: o número de unidades foliculares por cm2), etc. Este último fator, por exemplo, é relevante porque há um limite de quanto cabelo poderá ser obtido, por sessão, da área doadora. E o que define isso é a elasticidade da região doadora assim como sua densidade. Podemos geralmente obter com segurança larguras de 1.35 a 2.00 cm, dependendo da elasticidade do couro cabeludo. O comprimento geralmente será entre 26 a 32 cm, o que significa que podemos obter transplantes variando de 2.500 a 5.400 UFs por sessão. Outro fator importante é a disponibilidade para investir em uma sessão maior. Sem dúvida é mais vantajoso e cômodo realizar uma “sessão dupla” ao invés de duas menores, mas essa é uma decisão pessoal, uma vez que o custo será proporcional ao tamanho da sessão. Realizamos geralmente sessões de 2.800 a 4.200 UFs, cobrindo assim, 70 a 100 cm2 de área calva, considerando uma densidade de 40 UFs/cm2. Assim, se você tiver uma calvície classe 2-4 de Norwood, uma sessão poderá ser suficiente, mas se você possui uma calvície classe 5-6 de Norwood, você provavelmente vai necessitar de duas sessões. Vale ressaltar que para um cabelo mais fino necessitamos densidades maiores, como 50 UFs/cm2, gerando a cobertura de áreas menores em relação aos cabelos grossos, o que acaba representando um custo adicional.

  • Para definir o seu grau de calvície veja esses exemplos (link para tabela de graus de calvície)
  • Para você ter uma idéia do número de unidades foliculares necessárias no seu caso,
    veja o “graft calculator” (calculadora de folículos) clicando aqui. Não esqueça de marcar uma densidade de 40 para cabelos médios ou
    grossos e 50 ou mais no caso de cabelos finos. Boa sorte!

3. Qual a densidade do cabelo restaurado? Vocês realizam “dense packing” (alta densidade)? O que seria isso?
Por muitos anos, os cirurgiões de transplante do cabelo que realizavam exclusivamente a técnica de “unidades foliculares” usavam densidades de 20-25 unidades foliculares por centímetro quadrado (UFs/cm2). Como a densidade resultante não era suficiente para obter um aspecto cheio e denso de cabelo, era necessário voltar na mesma área e colocar mais unidades foliculares entre os cabelos previamente colocados obtendo algo perto de 40 UFs/cm2. Essa densidade final já era suficiente para criar uma aparência e volume de cabelo natural. É o que chamamos de “densidade cosmética”: uma densidade que embora não seja a natural (de 70 a 100 UFs/cm2), já é o bastante para dar a impressão de uma densidade natural de cabelo. Na atualidade, usando orifícios muito menores (0,6 – 0,7mm), menos da metade utilizada anteriormente, é possível obter essa “densidade cosmética” com uma única sessão. A realização de um procedimento que viabilize uma densidade como esta se tornou muito mais complexa, aumentando o tempo de cirurgia e a equipe que a realiza. Tudo isso vale a pena uma vez que proporciona uma grande vantagem ao paciente: restaurar o cabelo de uma área calva geralmente numa única sessão. Assim, para calvícies menores a médias, é possível restaurar o cabelo numa etapa única, evitando que o paciente passe por todo o processo que gera expectativa, ansiedade e demanda um período, ainda que curto (alguns dias), fora do trabalho. Caso você necessite de uma outra sessão, esta será realizada em uma outra área capilar, com uma circulação intacta, diminuindo assim o risco de um crescimento pobre dos cabelos transplantados.

4. Qual é o número máximo de unidades foliculares possível por sessão?
O número máximo de unidades foliculares depende de quanto cabelo será possível colher na área doara (região occipital). E o que define isso é a elasticidade da área doadora e sua densidade natural. É possível aumentar um pouco a elasticidade dessa área fazendo uma massagem local. Como a elasticidade será avaliada logo antes do transplante, a quantidade de cabelo colhida será de acordo com o índice de elasticidade. Maior elasticidade significa a possibilidade de colher mais unidades foliculares. Geralmente, podemos colher com segurança de 2.500 a 3.800 UFs por sessão, sendo que o máximo que realizamos até hoje numa única sessão foram 4.890 unidades foliculares, totalizando 10.426 fios.

5. Por que vocês utilizam a técnica Folicular Coronal?
Porque esta técnica combina características únicas:

  • 1 – Orientação coronal: as unidades foliculares são colocadas em uma orientação lateral ao invés de vertical. Esta orientação segue a
    das unidades foliculares naturais, possibilitando uma maior cobertura visual, realçando a densidade cosmética e permitindo ângulos capilares
    extremamente agudos, especialmente necessários para a restauração lateral e temporal. Essa característica assegura ainda, que as unidades
    foliculares implantadas permanecerão no lugar, não se movendo, evitando o inconveniente aspecto “em pé” dos cabelos.
  • 2 – Orifícios incrivelmente pequenos: Nós colocamos geralmente os enxertos foliculares em orifícios que variam de 0.6 a 0.7 milímetros
    de largura, assegurando mínimo dano tecidual e possibilitando uma rápida cicatrização, além de uma formação de crostas praticamente nula.
    Tudo isso assegura, na maioria dos casos, uma rápida recuperação.
  • 3 – Alta densidade – densidade cosmética: Estes orifícios extremamente pequenos permitem a alta densidade: cerca de 40 a 60 unidades
    foliculares por cm2. Dessa maneira é possível obter a densidade cosmética numa única sessão, o que não é possível fazer com as outras técnicas
    disponíveis.
  • 4 – Uso exclusivo de unidades foliculares, sob microscópios 3-D: esta característica ocasionou uma revolução na restauração capilar
    mundial a cerca de 10 anos, e ainda é a melhor maneira de produzir enxertos foliculares perfeitos. A pergunta deveria ser: Como é possível hoje,
    com todo esse embasamento científico e resultados comprovados não utilizar esta técnica?

6. O transplante será feito pelo próprio Dr. Tykocinski?
Sim, mas não sozinho. Para um procedimento como esse, necessitamos de uma grande equipe. O Dr. Arthur Tykocinski realiza o transplante auxiliado por até nove assistentes. Diferente da maioria dos cirurgiões, que inicialmente abrem os orifícios e depois sua equipe de assistentes coloca os enxertos, nós utilizamos a técnica chamada Stick & Place, em que os orifícios são abertos e os enxertos colocados, simultaneamente. Ao fazermos os orifícios um a um, é possível um controle total e imediato da colocação e do correto posicionamento folicular. A técnica Stick & Place tem muitas vantagens: necessita de orifícios menores porque os folículos são colocados antes que haja retração da pele, produzindo um menor trauma tecidual e ao enxerto folicular; o que diminui a zero o risco de algum orifício ficar sem folículo ou de colocar acidentalmente dois folículos num único orifício. Por fim, você pode controlar o desenho e a densidade dos cabelos de acordo com a quantidade total de enxertos foliculares disponíveis.

7. A “linha anterior” fica perfeita, natural?
Pode parecer prepotente responder que sim. Portanto, sugiro que veja os resultados e decida você mesmo. No entanto, podemos dar algumas sugestões para que possa ter certeza de que a equipe de profissionais que irá atendê-lo será capaz de proporcionar o resultado natural esperado. Aí vão eles: Ver os trabalhos já realizados através de fotos detalhadas, com boa iluminação, que mostre os resultados com o cabelo penteado para trás; se informar sobre a densidade, sobre a utilização exclusiva de unidades foliculares dissecadas com uso de microscópio 3-D; saber se o cirurgião responsável tem aptidões artísticas ou se encara a restauração capilar apenas como algo meramente técnico. Por que é justamente sobre “arte” que nós estamos falando, não é mesmo, ou não?

8. Quanto tempo dura o procedimento?
Em geral, são necessárias cinco horas para uma sessão de 2.000 UFs e de 6 a 8 horas para uma super Mega sessão de 2.800-4.000 UFs.

9. Que tipo de anestesia é utilizado?
Utilizamos anestesia local com uma leve sedação. Assim o paciente pode dormir um pouco, não vê o tempo passar, facilitando o procedimento e tornando-o mais rápido.

10. Que melhora posso esperar após a restauração capilar?
Tendo bastante volume de cabelo na área doadora, poderemos obter a densidade cosmética em apenas uma sessão na área da restauração do cabelo. Densidade cosmética significa produzir a aparência de um cabelo natural, mas de fato estamos reproduzindo apenas 50-60% da densidade original, o que geralmente já é o bastante. A exceção é o paciente com cabelos finos que exigem densidades mais elevadas. Não significa que estaremos restaurando toda a área calva, mas uma área definida, de acordo com a prioridade indicada pelo paciente, sua expectativa e disponibilidade, levando em consideração também a densidade da área doadora. Com sessões maiores é possível restaurar toda a área calva, dependendo do grau de calvície”. Geralmente não restauramos pontos calvos isolados, mas sim toda a unidade cosmética. Significa que nós não restauramos apenas as “entradas”, mas sim toda a região frontal (anterior) e temporal (lateral). Isto evita problemas futuros, como o surgimento de “ilhas de cabelo” circundadas por áreas calvas.

11. Quantos transplantes capilares vocês realizam por dia?
Fazendo esta técnica nós podemos apenas executar uma restauração capilar por dia, trabalhando com uma equipe de 8 a 10 pessoas.

12. E a cicatriz na área doadora, fica muito perceptiva?
A cicatriz é decorrente da técnica cirúrgica empregada; da habilidade do cirurgião e do processo cicatricial do paciente. Fazendo tudo da maneira correta, seguindo todos os avanços atuais, (incluindo a escala de Mayer e sutura em dois planos ou às vezes, a sutura tricofítica), a cicatriz é geralmente linear, variando de 0.5 a 2 milímetros em quase todos os casos. Cicatrizes maiores são geralmente, ocasionadas por uma cicatrização inadequada do paciente (depende do padrão constitucional, pessoal de cada um); má técnica cirúrgica ou após múltiplos procedimentos (três ou mais). Os problemas após a primeira sessão são raros (menos de 1%). Para se ter uma idéia, o paciente que usa seu cabelo curto, pode passar, sem problemas, uma “maquina 3” ou até mesmo “maquina 2”.

13. Quando inicia o crescimento do novo cabelo?
O novo cabelo começará a crescer geralmente de 3 a 4 meses após o procedimento. O resultado final poderá aparece entre 9 e 15 meses após a cirurgia.

14. A restauração capilar é um procedimento seguro?
É um procedimento extremamente seguro, realizado com anestesia local. Durante o procedimento, o paciente fica continuamente monitorado, com seus dados vitais como oxigenação do sangue (oximetria), freqüência cardíaca, pulso, pressão arterial e monitoramento cardíaco sendo acompanhados. Além disso, exames prévios são pedidos para avaliar a condição de saúde dos pacientes, evitando, assim, surpresas. Embora o procedimento dure 7 horas, a parte cirúrgica mesmo, dura cerca de uma hora. O restante do tempo é usado para implantar o cabelo, sendo extremamente superficial e minimamente invasivo.

15. Quando os pontos serão removidos?
Normalmente, utilizamos pontos de nylon, que devem ser removidos entre 10 e 14 dias após a cirurgia. Mas temos a opção de utilizar uma sutura absorvível, que não necessitar ser removido. Ideal para aqueles que por algum motivo, não terão disponibilidade de voltar à clínica para remoção dos pontos.

16. Serão utilizadas bandagens após o procedimento cirúrgico?
Não usamos bandagens há muitos anos. A razão é que são incômodas para os pacientes e são realmente dispensáveis. Como os orifícios são muito pequenos (menores que 0.7mm) os enxertos foliculares logo fixam, estando geralmente no lugar, durante a lavagem que realizamos no dia seguinte. Em todo o caso, verificamos se há algum enxerto mal posicionado e, se for necessário, o corrigimos. Acredito que a compressão realizada pela bandagem pode ser até prejudicial, mas esta é apenas uma opinião pessoal, uma vez que não existem estudos comparativos.

FAQ – Pré e Pós-operatório

1. É necessário fazer algum exame antes?
Sim, é necessário realizar alguns exames, como hemograma, coagulograma e uma avaliação cardiológica. Melhor fazê-los com antecedência, em especial a avaliação com o cardiologista, pois caso este peça algum exame adicional, é bom ter tempo hábil para realizá-lo.

2. Há alguma recomendação especial?
Se você é tabagista, deve parar de fumar duas semanas antes e por até um mês após a cirurgia, para assegurar que não haja problemas circulatórios ou dificuldade de cicatrização. Caso não consiga parar, pelo menos deve reduzir drasticamente o consumo para algo em torno de 1 e 3 cigarros por o dia. Se você faz uso de alguma medicação, fale com seu médico a respeito. Medicações para hipertensão arterial geralmente devem ser continuadas.

3. Finasterida: devo parar ou iniciar o uso?
Se você já estiver tomando finasterida não pare, continue tomando diariamente. Se não está tomando e sua calvície ainda for inicial ou moderada, considere consultar-se com um dermatologista para que prescreva finasterida. Caso prefira, também podemos prescrevê-lo apos nossa consulta. O tratamento com finasterida visa a impedir perda futura dos cabelos remanescentes, evitando a necessidade de restaurações capilares mais a frente.

4. Se uma segunda restauração capilar for necessária: Quando ela deverá ser feita?
Normalmente se a área for de até 80 cm2, executamos apenas uma sessão. Podemos executar uma área maior em uma sessão, de acordo com a área doadora e a disponibilidade do paciente. Caso uma segunda restauração capilar seja necessária, essa poderá ser realizada um ano após a primeira. Nesse período a elasticidade na área doadora geralmente retorna ao normal, permitindo que uma nova sessão seja realizada sem que haja tensão excessiva no local. Como nosso objetivo é realizar o menor número de etapas possíveis, a fim de restaurar toda área calva, consideramos as sessões pequenas contraproducentes, por isso é válido esperar um pouco mais, para que a nova sessão possa ser novamente numerosa.

5. Devo cortar meu cabelo para a cirurgia?
Não. Evite deixar o cabelo curto, em especial na parte posterior da cabeça, pois dificulta camuflar os pontos após o transplante. Deixe pelo menos dois dedos de comprimento na parte de trás, para que seja possível cobrir os pontos. Se puder deixar maior, melhor ainda. Portanto o ideal é que evite cortar o cabelo um ou dois meses antes da cirurgia.

6. Quanto tempo devo permanecer em São Paulo para o procedimento?
Geralmente cinco dias são suficientes. O ideal seria chegar com dois dias de antecedência para a consulta, assim temos tempo para tirar as dúvidas e que você possa relaxar um pouco, fazendo as coisas sem pressa. No dia seguinte, você lavará os cabelos aqui na clínica e teremos ainda, um dia extra para esclarecimento de quaisquer dúvidas. Se pretender viajar para algum lugar não muito longe de São Paulo, você poderá voltar após dez ou quinze dias para remover os pontos, ou ainda, poderá retirar na sua cidade. Outra opção é usar pontos absorvíveis, o que geralmente evitamos pelo maior risco de reações alérgicas.

7. Quanto tempo preciso para minha recuperação?
Geralmente a recuperação é bastante rápida. Ficará mais visível nos cinco primeiros dias. Após esse período poderá retornar atividades profissionais com menor exposição. Geralmente com dez dias de operado as alterações estéticas por conta do procedimento tornam-se minimamente perceptíveis, podendo o paciente, retornar às suas atividades usuais. Freqüentemente nossos pacientes se referem às reações das pessoas com a afirmação de que ninguém nem percebeu que eles passaram por uma restauração capilar, mesmo no trabalho. Alguns aproveitam as férias para realizar o procedimento. Se for o seu caso, programe dez dias de férias, que já serão suficientes para a realização da restauração.

FAQ – Restauração Capilar em Geral

01. Por que algumas pessoas são calvas e outras não?
Depende do código genético herdado dos pais e também da ação dos hormônios masculinos, em particular o DHT. Agindo nos receptores hormonais das células nas raízes capilares, faz com que os cabelos fiquem cada vez mais finos, curtos e claros, até que as raízes fiquem totalmente atróficas, na forma de uma suave penugem, fazendo com que os cabelos caiam para nunca mais voltar. Geralmente acomete mais a região frontal e superior central da cabeça. É a chamada alopecia androgenética masculina. Embora possa iniciar já na puberdade, geralmente é mais visível após os 30 anos. Quanto mais jovem se inicia, mais extensa tende a ser.

02. A mulher pode ter calvície androgenética?
Sim, desde que tenha a herança genética para a calvície. Pode haver também algum distúrbio nos seus hormônios sexuais. Associado ao quadro de calvície androgenética feminina, freqüentemente vemos acne e/ou hirsutismo (aumento dos pêlos). O primeiro passo para o diagnóstico, é uma dosagem hormonal e um bom exame clínico.

03. Um bom tratamento pode prevenir a calvície e evitar um transplante?
Às vezes sim, mas nem sempre. O que geralmente se consegue é retardar a progressão da calvície, estacionando-a ou reduzindo-a. Esses tratamentos em geral têm ação máxima com dois anos de uso e depois o quadro se estabiliza. Podem ser combinadas com outras medicações tópicas ou sistêmicas.

04. O tratamento com remédios pode provocar impotência?
Alguns novos medicamentos como no caso da finasterida eventualmente podem diminuir o apetite sexual (libido), mas isso ocorre em menos de 2% dos casos e é totalmente reversível com a suspensão da medicação. Acredita-se que pacientes na faixa dos 40 em diante podem ter uma incidência maior. Existe ainda um fator psicológico importante e muitos pacientes podem ficar induzidos a pensar nisso. Em geral os sintomas desaparecem com o uso continuado.

05. E o cabelo transplantado, não cairá também?
Os cabelos do transplante são provenientes da região posterior da cabeça, uma área onde as raízes capilares não sofrem a ação hormonal, assim ‘duram’ por toda a vida. Assim, os cabelos ‘transplantados’ não sofrerão a ação hormonal, portanto não tenderão a calvície. Eles crescem naturalmente, podendo ser cortados, coloridos, relaxados ou penteados em qualquer estilo. Entretanto o transplante de cabelo não impede a progressão da calvície do cabelo original, aquele havia no local antes do transplante. Para este cabelo, no caso de uma calvície inicial ou moderada, a associação de um tratamento clínico é recomendável.

06. Mas os cabelos transplantados não ficam diferentes dos outros?
Pelo fato de não terem sofrido ação hormonal em suas raízes, esses cabelos tendem a crescer mais fortes e grossos se compararmos aos cabelos que sofreram com o processo de calvície, que geralmente são mais finos. Por outro lado se pudéssemos comparar o cabelo que foi transplantado com aquele que existia no local antes do processo de calvície iniciar, perceberíamos que a diferença seria mínima.

07. Em quanto tempo após a cirurgia notarei um maior volume?
Os cabelos começam a nascer após um período de 3-4 meses, a uma velocidade média de 1 cm/mês. Após 9-12 meses você já estará penteando os novos cabelos normalmente e percebendo um maior volume. No entanto, isso não significa que o resultado estará completo, atingindo a maturidade com 15 meses. Dependendo da técnica utilizada uma segunda sessão na área do transplante será necessária. Esta é uma das vantagens do transplante folicular coronal que geralmente resolve numa única sessão.

08. E se eu quisesse transplantar os cabelos de outra pessoa?
Não seria uma boa idéia. O seu corpo rejeitaria os cabelos de outra pessoa, pois possui um código genético diferente, estranho ao organismo. Isto exigiria tomar imunossupressores para evitar essa rejeição, como no caso do transplante renal. Por sua vez, os imunossupressores trazem sérios efeitos colaterais, não se justificando seu uso para fins cosméticos. Por outro lado, acredita-se que dentro de alguns anos a cultura de células capilares tornará esse sonho possível, pois produziremos cabelo da própria pessoa em laboratório, sem problema de rejeição. Teremos então cabelos ilimitados.

09. Posso transplantar cabelos do meu peito ou de outras partes do meu corpo?
Não é o ideal, pois são cabelos com características diferentes. Eles continuarão crescendo como pêlos, não havendo uma transformação em cabelos de verdade. Embora seja possível, um pêlo será sempre um pelo, nunca chegando ao comprimento do cabelo original, embora pela maior vascularização este pêlo chegue a crescer 40% mais. Alem disso diferem em densidade e textura. Em casos extremos, alguns cirurgiões capialres utilizam pêlos para aumentar o volume capilar. Nós, particularmente desaconselhamos esta pratica.

10. A cirurgia de transplante capilar deixa alguma cicatriz?
A incisão realizada na área doadora para a retirada dos folículos capilares deixa uma fina linha que tende a desaparecer com o tempo. Mas trata-se de uma área farta em cabelo, portanto dificilmente alguém perceberá qualquer alteração local, talvez nem mesmo o seu cabeleireiro, exceto em pacientes que apresentam distúrbios de cicatrização, o que mesmo assim, com um tratamento adequado, pode ser minimizado. Mais uma vez, como tudo na medicina depende muito da correta técnica empregada, atualizada, assim como da característica individual de cicatrização.

11. O paciente sente alguma dor durante ou depois da cirurgia?
A restauração capilar hoje promove um desconforto mínimo. O procedimento é realizado com anestesia local e um relaxante é dado antes ao paciente. Após o transplante o uso de um analgésico minimiza o incômodo do contato da área com o travesseiro, descrito pelos pacientes como eventualmente um leve incômodo. Muito importante é o fato de utilizarmos durante o procedimento um anestésico de longa duração e prolongado efeito analgésico, tornando o desconforto pós geralmente desprezível. Logicamente tudo depende da técnica utilizada.

12. Quais são as complicações que um transplante de cabelo pode ocasionar?
Como intercorrência pós restauração capilar, podemos citar um leve inchaço da testa em cerca de 6% dos casos. Indolor este inchaço desaparece em 2 ou 3 dias. Uma dormência no local dos pontos pode persistir por algumas semanas. Por fim, o risco de uma menor ‘pega’ dos cabelos, pode estar relacionada com a saúde e hábitos do paciente, como tabagismo, hipertensão, diabete, stress, consumos de estimulantes e outras condições em que haja diminuição da circulação sanguínea. Em pessoas sadias dificilmente haverá algum problema. Apesar de não haver nada que possa ser considerado grave, tudo isso pode ser evitado com a escolha de uma técnica adequada e uma equipe experiente. Retirar os cabelos da área doadora com os antigos ‘punches’ de 2-5 mm ou ‘caneta elétrica’ são contra-indicados pela ‘Sociedade Internacional de Restauração Capilar’, mas infelizmente ainda utilizados em nosso meio. Complicações presentes em outras técnicas como linha anterior do cabelo excessivamente reta ou artificial, depressões onde foram colocados os enxertos, ondulações na pele do couro cabeludo, cabelos em pé ou a presença de tufos, podem ser evitados utilizando-se exclusivamente unidades foliculares separadas exclusivamente com uso de microscópios 3-D e implantadas em orifícios minimamente invasivos, menores que 1 mm. Quanto menor o trauma, menor será a reação do organismo, numa óbvia relação ação/reação.

13. Em quanto tempo posso voltar ao trabalho e às minhas atividades normais?
No dia seguinte, após a lavagem no consultório, o paciente poderá fazer leves caminhadas e no segundo dia poderá retornar ao trabalho. No terceiro dia já estará lavando os cabelos em casa, com o shampoo recomendado. Após cinco dias estará liberado para praticar esportes leves, como caminhadas ou bicicleta ergométrica. Natação, musculação, academia ou esportes competitivos, só após a retirada dos pontos. Mesmo tranqüilo, é bom não abusar.

14. Todos vão perceber que eu fiz transplante de cabelo?
Bem, vamos tentar entender: existe o aspecto imediato após o transplante e o resultado depois que o cabelo cresceu. Quanto ao aspecto imediato será perceptível nos primeiros 3-5 dias. Depois varia de caso a caso, sendo geralmente pouco perceptível após 10 dias. Agora como resultado é desejável que percebam algo diferente e ‘melhor’ em você, mas não necessariamente percebam que se trata do seu novo cabelo. Pode parecer incrível que as pessoas não sejam tão observadoras assim, mas a grande maioria não perceberá. É ver para crer.
Se você já está bem calvo é provável (mas nem sempre) que algumas pessoas reparem que você está ficando com ‘mais’ cabelo. E o mais incrível é que, segundo os próprios pacientes, acham geralmente que tomaram ‘algo’ para fazer o cabelo crescer e muitos confirmam que de fato tomaram. Parece piada, mas não é. Pelo menos até tomarem mais confiança de que realmente o resultado realmente ficou muito bom para depois ‘assumirem’ que realmente fizeram o transplante. Talvez a questão seja assumirem sua vaidade, algo ainda tabu para muitos. Um comentário freqüente que os pacientes ouvem é se emagreceram, se estão fazendo academia ou se mudaram o corte ou a cor do cabelo, quando surpreendentemente quase nem tinham cabelo. Já nos casos que o paciente tinha ainda uma quantidade razoável de cabelo a mudança passa despercebida. Para surpresa de muitos, mesmo quando assumem que fizeram um transplante, muitos não acreditam. Se parece natural? Bem, pergunte a quem já fez, pois somos suspeitos. Nada melhor do que ouvir da boca da própria pessoa. Melhor ainda quando os comentários são unânimes: perfeito!

15. Quero fazer o transplante e depois sair de férias, é possível?
Sim, pode-se viajar já no terceiro dia após a cirurgia, mesmo para o exterior. Como uma parcela importante quer discrição total, esta é uma boa opção.

16. E o custo nos EUA é o mesmo do Brasil?
O custo nos EUA é maior, considerando técnica e numero de unidades foliculares equivalentes. Mesmo se considerarmos o custo do material importado e das diversas viagens feitas para o aprimoramento técnico, ainda assim o custo de um transplante folicular coronal com 3.200 unidades foliculares é cerca de 35% do valor praticado nas melhores clínicas dos EUA e Canadá. Confira no site Hair Loss Learning Center os médicos da “coalition” um seleto grupo de expoentes da restauração capilar mundial.

17. E tomar sol, pode?
É recomendável evitar a exposição solar direta e sem proteção nas primeiras semanas. Mas utilizando o boné por nós fornecido na praia ou piscina não há problemas.

18. Os Planos de Saúde cobrem esse tipo de cirurgia?
Infelizmente, no Brasil só existe cobertura pelos planos de saúde para cirurgias reconstrutoras e não para procedimentos estéticos. Por outro lado, em comparação com os EUA, onde também é realizada esta técnica, o preço é muito mais acessível.

19. É necessário cortar o cabelo antes do transplante?
É melhor deixar os cabelos mais compridos, até ajuda, facilitando penteá-los durante o transplante para colocar as unidades foliculares entre eles. Na área doadora, os cabelos mais compridos cobrem os pontos tornando-os imperceptíveis.

FAQ – Mitos e Verdade

1. Lavar os cabelos todos os dias aumenta a queda.
MITO. Na verdade, a lavagem apenas ajuda a soltar os fios que já estão em fase de queda e que vão cair de qualquer forma. Vale lembrar que há fases em que o cabelo cai mais e em outras menos. Isso é normal. Se quiser saber mais sobre o assunto o site indicado é o www.cabelo.med.br.

2. Cortar regularmente evita queda.
MITO. O cabelo curto modifica o visual, mas não influi na queda. Na verdade, os fios são um pouco mais grossos na base do que na ponta, o que pode deixar o cabelo mais volumoso, temporariamente, depois do corte.

3. Alguns esportes (exceto os aquáticos) danificam os cabelos.
MITO. Atividades esportivas só trazem benefícios. Atletas com tendência à calvície ficarão calvos independentemente do esporte ou atividade física.

4. A caspa favorece a queda.
MITO. A dermatite seborreica, popularmente conhecida como caspa, caracteriza-se por uma oleosidade excessiva (seborréia) no couro cabeludo, seguida por inflamação e descamação. A inflamação (irritação) produz uma vermelhidão e sensibilidade no couro cabeludo, enquanto a descamação pode variar de finas escamas (lembrando polvilho) à intensa, formando crostas, muitas vezes aderidas e que ao serem removidas deixam o couro cabeludo ferido. Pode associar-se à alopecia androgenética, acelerando a perda capilar. Ao enxaguarmos os cabelos, o ideal é remover os condicionadores completamente dando atenção ao couro cabeludo (resíduos podem ocasionar caspa). Fora isso, o estress é um dos mais importantes fatores desencadeantes desse quadro. Outro fator é o aumento do número de fungos usuais (p. Ovale) do couro. Para o tratamento, utilizam-se shampoos antiinflamatórios, anti-fúngicos, normalizadores da descamação ou tudo isso associado.

5. A água do mar é boa para os cabelos oleosos.
VERDADE. Sendo na medida certa, tanto a água do mar como o sol, ajudam a diminuir a oleosidade, mas não interferem na queda.

6. Se o fio branco for arrancando, o outro nascerá preto.
MITO. O cabelo fica branco quando as células próximas das raízes não conseguem fabricar o pigmento melanina, que dá cor aos fios. Em geral, é condição geneticamente determinada.

7. O cabelo cresce mais rápido no verão.
VERDADE. O sol estimula alguns hormônios, como a prolactina e a melatonina. Dessa forma, o bulbo capilar a “trabalha” mais, o que acelera o crescimento dos fios.

8. O excesso de testosterona tem relação com a perda de cabelo. Isso faz dos carecas homens mais potentes.
MITO. A perda de cabelo não é desencadeada pelo aumento na produção de hormônios masculinos. Na verdade, o aumento da enzima 5 alfa-redutase, determinada geneticamente, é que favorece à queda. Sem falar que esta enzima não ligada à virilidade.

9. Pode ser utilizado cabelo de outra pessoa para realização de um transplante capilar?
Em termos. Esta prática é possível, mas não recomendável. O corpo rejeitaria os cabelos de outra pessoa, por possuir um código genético diferente, estranho ao organismo. Este caso exige a ingestão de imunossupressores para evitar uma possível rejeição. Porém, os imunossupressores trazem sérios efeitos colaterais e seu uso não justifica fins cosméticos.

10. Todos irão perceber que realizei um transplante capilar?
Em termos. Existe o aspecto após o transplante e o resultado após o crescimento do cabelo. São duas coisas diferentes. Com a técnica folicular coronal, o aspecto após transplante será perceptível nos primeiros 3 ou 5 dias, depois varia de caso a caso, sendo geralmente pouco perceptível após 10 dias do transplante. A oleosidade do cabelo pode causar uma inflamação nos orifícios do couro cabeludo. Isso é mais evidente em pessoas de pele clara. Passados estes dias, o resultado torna-se incrivelmente natural e imperceptível.

11. Cortar o cabelo na lua cheia acelera o crescimento.
MITO. As fases da lua não estimulam o crescimento capilar. Na verdade, o cabelo é uma pilha de queratina. Tudo o que acontece com ele está na parte interior do couro cabeludo, há 3 ou 4 milímetros de profundidade. Nosso cabelo nada mais é do que células mortas impregnadas de queratina. Portando, não há uma conexão entre o crescimento dos cabelos com as fases da lua.

12. O transplante capilar não dura para sempre.
MITO. Os cabelos transplantados são provenientes da região posterior da cabeça, uma área onde as raízes capilares não sofrem a ação hormonal, assim duram por toda a vida. Eles crescem naturalmente, podendo ser cortados, tingidos ou penteados em qualquer estilo. No entanto, o cabelo sofrerá um envelhecimento como todo o organismo, ficando mais fino por volta dos 60 anos.

13. É possível utilizar os cabelos do peito em um transplante capilar.
VERDADE. Não é o ideal, pois são cabelos com características diferentes. Eles continuarão crescendo como pêlos, não sendo possível uma transformação em cabelos de verdade. Embora seja possível, um pêlo será sempre um pêlo, nunca chegando ao comprimento do cabelo original. Além disso, diferem em densidade e textura. Em casos extremos, alguns cirurgiões capilares utilizam pêlos para aumentar o volume capilar.

14. Não há problemas em continuar o tratamento com finasterida para realizar um transplante capilar.
VERDADE. Se você estiver tomando finasterida não precisa parar. Se não estiver tomando e sua calvície ainda for inicial ou moderada, considere consultar-se com um dermatologista para que prescreva finasterida. O transplante capilar é indicado para os casos em que já ocorreu a calvície enquanto a finasterida é indicada para a prevenção.

15. É possível resolver meu problema de calvície com apenas uma sessão.
VERDADE. Isso depende muito do tamanho da calvície e das condições da área doadora. O número máximo de unidades foliculares depende da elasticidade dessa área. Uma maior elasticidade significa a possibilidade de colher mais unidades foliculares.

16. O stress facilita a queda capilar.
VERDADE. Assim como todo o organismo, o cabelo também sofre com o stress. Cada pessoa tem o seu órgão de choque. O stress contínuo desencadeia o processo de envelhecimento do organismo. Porém, esta perda de cabelo por conta do stress não é definitiva, ele voltará a crescer normalmente.

17. A redução de estômago não afeta o cabelo.
MITO. O princípio dessa cirurgia é diminuir o estômago para que a pessoa tenha a sensação de distensão abdominal. Porém, esta prática também diminui a capacidade do estômago de absorver os nutrientes. Então, a pessoa não só terá uma deficiência protéica como uma deficiência de ferro, um nutriente importantíssimo para o crescimento do cabelo.

18. O cabelo cresce mais durante a gravidez.
VERDADE. Estimulado pelos hormônios, o cabelo cresce mais durante a gravidez. Após o parto, a mulher geralmente perde os cabelos que ficaram retidos. O feto consome muito nutriente e se a mulher não faz um acompanhamento ou tem uma alimentação saudável, ela poderá apresentar uma deficiência de ferro e conseqüentemente sérios problemas de queda de cabelo. Além disso, se a mulher volta a prática de esportes com muito vigor, o músculo competirá ferro com o cabelo e conseqüentemente, ela poderá ter perda de cabelo.

19. Dormir com o cabelo molhado facilita a queda de cabelo.
VERDADE. A umidade dos fios facilita a proliferação de fungos e conseqüentemente, a queda de cabelos.

Formas de Atendimento:

+55 11 3889-7356

Email: faleconosco@cabelo.med.br

ou

Clique aqui e envie uma mensagem